quinta-feira, 30 de abril de 2015

#1576


Não sou fácil, eu sei.
Tenho as minhas manias e as minhas paranóias. As minhas exigências.
Sou difícil de complicada. Sou dura de ouvir. Sou directa e incomodo.
Sou difícil de me apaixonar. E não sou fácil de gostar. Amem-me ou odeiem-me.
Mas eu, ou não gosto de todo - odeio mesmo - ou amo por completo.
Com todas as falhas, todos os erros.
Com tudo aquilo que até pode incomodar, mas que é camuflado pelo tanto que é o melhor que há.
Quando quero, quero muito.
Quando gosto, gosto para ficar.
Quando amo, amo para sempre.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

#1575



Bom dia, meu amor.
Sim, acordei birrenta e a reclamar.
Sim, quero ir passear.
Sim, quero o Verão.
Sim, quero praia e Bolas e Berlim.
Passeios na praia e pôr-do-sol no mar.
Sim, quero um beijo e um abraço.
Sorrisos e mimo. Colo e paixão.

terça-feira, 28 de abril de 2015

#1574



Sou de paixões violentas e amores calmos. Tudo ao mesmo tempo! E com a mesma pessoa!
 
Não sei ter só um amor confortável, preciso que as borboletas na barriga não se calem. Preciso de ter o conforto do ombro amigo e a urgência de um beijo que não pode esperar. Preciso de saber a quem rumo ao fim do dia, mas que me dêem a volta à rotina.
 
Preciso da estabilidade e preciso do inesperado. Preciso de quem me descanse e de quem me desencaminhe. Preciso das noites e dos dias.... Preciso dos risos e das lágrimas. Preciso da paz e da guerra. Preciso de me sentir viva e de sentir que faço viver.
 
Preciso de quem me ame e de quem se apaixone por mim todos os dias. Preciso de amar desmesuradamente e de me apaixonar perdidamente. Todos os dias.
 
Preciso de ti. E preciso de ti.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

#1573



Quando gosto, dou tudo de mim. Faço os maiores disparates por quem me é importante. Quando amo, vou ao fim do mundo. Quando acho que me merecem, o meu muro desfaz-se. As minhas guardas desaparecem. As minhas precauções não existem. Dou-me a mim. Dou o meu tempo e perco todas as minhas defesas.
 
Quando amo, espero ser amada com a mesma intensidade, urgência e querer. Espero que os disparates sejam de parte a parte. Que as cedências sejam naturais e de ambos os lados. Só porque...sim, só porque fazem sentido e apetecem. Quando amo só quero tudo.
Hoje, não sei ser de outra forma.
Quando amo, vou ao fim do mundo!

domingo, 26 de abril de 2015

#1572




When the world is darker than I can understand.
When nothing turns out the way I planned.
When the sky turns grey and there's no end in sight.
When I can't sleep through the lonely night.

I turn to you. Like a flower leaning toward the sun.
I turn to you. 'Cos you're the only one.
Who can turn me around when I'm upside down.
I turn to you.

When my insides are wracked with anxiety.
You have the touch that will quiet me.
You lift my spirit. You melt the ice.
When I need inspiration, when I need advice.

I turn to you. Like a flower leaning toward the sun.
I turn to you. 'Cos you're the only one.
Who can turn me around when I'm upside down.
I turn to you.

Where would I be? What would I do?
If you'd never helped me through.
I hope someday if you've lost your way.
You could turn to me like I turn to you.

I turn to you. Like a flower leaning toward the sun.
I turn to you. 'Cos you're the only one.
Who can turn me around when I'm upside down.
I turn to you.

sábado, 25 de abril de 2015

#1571



No final das contas é o que importa, é o que fica - o amor que se compartilha além das palavras.
(GR)ATITUDE.

sexta-feira, 24 de abril de 2015

#1570

 
Tu e eu não somos uma coisa fácil. Não somos simples. Somos retorcidos no nosso querer. Ludibriamos a nossa vontade. Mascaramos o nosso querer. Revolvemos as nossas saudades. Calamos o apetecer.

Tu e eu não somos uma decisão de ânimo leve. Não somos conversas fáceis. Não somos calmaria e sossego. Não somos ideias claras. Não somos respostas e sorrisos.

Tu e eu somos nós. Desejosos. Teimosos. Rec
eosos. Curiosos. Um turbilhão que desassossega o outro. Uma imensidão que ao outro avassala. Somos perguntas caladas e pensamentos de vontade. Dúvidas presentes e convicções aparentes. Obstinados. Apaixonados. Quietos. Calados.

Tu e eu.
Apenas (teimosamente) nós.
A sós.

quinta-feira, 23 de abril de 2015

#1569



O abraço que sossega.
O beijo que acalma.
O olhar que sorri.
O colo que mima.
O silêncio que dá paz.
Um abraço longo e apertado.
Um beijo calmo e sossegado.
Mãos dadas e um afago.
Hoje, era só isto....
Nada mais que isto.

quarta-feira, 22 de abril de 2015

#1568



Apaixonarmo-nos é fechar os olhos àquilo que não gostamos.
É esquecermo-nos das frases ditas que preferimos não ouvir.
É fazermo-nos desentendidos quando as atitudes não são o que pretendemos.
É querermos alguém para lá da razão.
É saber quem faz parte de nós e o vazio que ela cria quando se ausenta.
É (não) termos plena consciência do que merecemos.
É complementarmo-nos na mente de alguém.
É (querer) saber de cor o outro.
É deixar uma parte de nós com alguém.
É desejar ser tudo isto para o outro.

Espera, enganei-me. Isto é amor. Paixão é outra coisa.

segunda-feira, 20 de abril de 2015

#1566



Gosto que cuides de mim.
Eu sei, eu sei, sou a perfeita demonstração da mulher desembaraçada, desenrascada, independente e que tudo sabe!
Mas gosto que cuides de mim!

Gosto que me perguntes como foi o meu dia. Gosto que me chateies o juízo porque sou despaçarada. Que me lembres se desliguei as luzes todas. Que me digas que não posso andar descalça no Inverno! Que vás ao supermercado comprar aquelas coisas-que-todas-as-gajas-precisam-todos-os-meses! Que me obrigues a tomar um comprimido quando espirro!
Gosto que cuides de mim. Mesmo que reclame sempre!

domingo, 19 de abril de 2015

#1565



Quando não há razões. Quando não há explicações. Quando nem se sabe exactamente o porquê. Quando não é lógico, nem acertado. Quando não é racional, nem pensado.

Quando é e pronto. Sem vastas explicações ou razões complicadas. Quando é intuído. Quando sem saber, sabe-se. Quando se quer. Quando se quer ainda mais um pouco. Quando o muito nunca chega. Quando do pouco se aproveita muito.

Quando...

sábado, 18 de abril de 2015

#1564


Apetecia-me um beijo. Daqueles de parar o trânsito. Dos que nos fazem esquecer que estamos no meio da rua.

Apetecia-me um beijo. Que arrebata. Que apaixona. Que ataranta. Que turva o pensamento e descompassa o coração.

Um beijo. Apetecia(s)-me.

sexta-feira, 17 de abril de 2015

#1563


 
E tens-me na tua mão.
Tens o meu coração na tua mão!
Sabes que te pertence a ti e ninguém mais.
Tens-me na tua mão.
Nem precisas de a fechar, sabes que não fujo e não tenciono ir a lugar algum.
O meu coração ontem era teu.
Amanhã continuará a ser.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

#1562


 
Um bom dia preguiçoso.
Vagaroso.
Em câmara lenta.
Quase adormecido.
De olhos fechados ainda.
Preciso de um beijo para acordar, meu amor...

terça-feira, 14 de abril de 2015

#1560

 
Regálame tu risa,
enseñame a sonar
con solo una caricia
me pierdo en este mar
Regálame tu estrella,
la que ilumina esta noche
llena de paz y de armonía,
y te entregaré mi vida

Haces que mi cielo
vuelva a tener ese azul,
pintas de colores
mis mañanas solo tú
navego entre las olas de tu voz
y tú, y tú, y tú, y solamente tú
haces que mi alma se despierte con tu luz
y tú, y tú, y tú..

Enseña tus heridas y así la curará
que sepa el mundo entero
que tu voz guarda un secreto
no menciones tu nombre que en el firmamento
se mueren de celos
tus ojos son destellos
tu garganta es un misterio

Haces que mi cielo
vuelva a tener ese azul,
pintas de colores
mis mañanas solo tú
navego entre las olas de tu voz
y tú, y tú, y tú, y solamente tú
haces que mi alma se despierte con tu luz
y tú, y tú, y tú, y solamente tú
haces que mi alma se despierte con tu luz
y tú, y tú, y tú..

No menciones tu nombre que en el firmamento
se mueren de celos
tus ojos son destellos
tu garganta es un misterio

Hace que mi cielo
vuelva a tener ese azul,
tintas de colores
mi mañana solo tú
navego entre la sola de tu voz
y tú, y tú, y tú, y solamente tú
hace que mi alma se despierte con tu luz
y tú, y tú, y tú..

segunda-feira, 13 de abril de 2015

#1559



No aconchego do morno da cama.
No extremo da minha preguiça.
Na lentidão de um abraço quente.
No demorar de um beijo.
Na calma de um sorriso.
Na paz dos teus olhos.
Deixas-me adormecer de novo?

E, num sussurro, bom dia, meu amor.

domingo, 12 de abril de 2015

#1558

 
O dia chegou com sol e vontade. A manhã trouxe um café com cheiro a Primavera.
Um beijo com sabor a praia vazia. Disparates cheios de abraços.
Brincadeiras com vontades de miúdos.

Bom dia, meu amor!

sábado, 11 de abril de 2015

#1557

 
 
Se estiveres, eu estou.
Se ficares, eu fico.
Se quiseres, eu quero.
Se entrares, eu entro.
Se saltares, eu salto.
Se arriscares, arrisca com tudo.
Se caíres, eu agarro-te.
Se vieres, eu volto.
Se me amares para sempre, amar-te-ei sem limites.
Se saltares, saltamos juntos.
Apostamos juntos. Ganhamos juntos.
Sorrimos juntos.
Arriscas?

sexta-feira, 10 de abril de 2015

#1556



Quero acordar assim contigo. Assim devagarinho e à média luz. Enquanto me tomas nos teus braços e me dizes coisas bonitas. Enquanto me dás beijos intervalados com sorrisos. Ficar deitada a olhar para o tecto enquanto me falas do que não sei. Fechar os olhos e quando os voltar a abrir, ainda me sorris. Com o pequeno-almoço. Sumo de laranja e torradas. Com imensa manteiga, por favor.
Hoje, tal como ontem, adoro acordar contigo.

quinta-feira, 9 de abril de 2015

#1555



Despe-te do dia.
Despe-te do reboliço e da confusão.
Despe-te. Vem dormir sem nada que te apoquente.
Despe-te dos problemas que trazes nos bolsos. Das dúvidas que te assolam a mente.
Despe-te. Eu também deixei um nada vestido. Vem só tu. E dá-me um beijo de boa noite.

quarta-feira, 8 de abril de 2015

#1554


 
 
I walked across an empty land
I knew the pathway like the back of my hand
I felt the earth beneath my feet
Sat by the river and it made me complete

Oh simple thing where have you gone?
I'm getting old and I need something to rely on
So tell me when you're gonna let me in
I'm getting tired and I need somewhere to begin

I came across a fallen tree
I felt the branches of it looking at me
Is this the place we used to love?
Is this the place that I've been dreaming of?

Oh simple thing where have you gone?
I'm getting old and I need something to rely on
So tell me when you're gonna let me in
I'm getting tired and I need somewhere to begin

And if you have a minute why don't we go
Talk about it somewhere only we know?
This could be the end of everything
So why don't we go
Somewhere only we know?
Somewhere only we know?

Oh simple thing where have you gone?
I'm getting old and I need something to rely on
So tell me when you're gonna let me in
I'm getting tired and I need somewhere to begin

And if you have a minute why don't we go
Talk about it somewhere only we know?
This could be the end of everything
So why don't we go?
So why don't we go?

Ah-ah-ah
Ah-ah-ah

This could be the end of everything
So why don't we go
Somewhere only we know?
Somewhere only we know?
Somewhere only we know?

terça-feira, 7 de abril de 2015

#1553



Num sítio só nosso. Onde ninguém nos encontre. Num sítio onde o tempo se suspenda e o abraço se estenda. Um local onde o beijo apareça e o colo apeteça.

Num sítio desconhecido. Onde ninguém nos importune. Num sítio onde o sorriso ganhe e o colo nos apanhe. Um local onde as mãos se dêem e os pensamentos se lêem.

Só nós...

Vamos?

segunda-feira, 6 de abril de 2015

#1552

 
 
Em silêncio. Contigo.

Quando o silêncio não incomoda. Quando calados sabemos que, ainda assim, conversamos. Quando os silêncios são confortáveis. Quando as pausas apetecem. Quando nenhuma palavra se articula mas sabemos que é ali que gostamos de estar. Quando basta a presença ali ao nosso lado para nos sentirmos inteiros. Quando só apetece fechar os olhos e sorrir dentro de um abraço sossegado.
...
Aninhados. Calados.
Em silêncio. Os dois.

sábado, 4 de abril de 2015

#1550



Gosto de falar contigo. Gosto de te ouvir. Gosto que me oiças. Gosto de parar o tempo enquanto o mundo é só nosso.

Gosto quando nos olhamos. Gosto quando te olho. Gosto quando me olhas. Gosto quando nada mais existir ao redor para ver.

Gosto quando não me julgas. Gosto quando me apoias. Gosto quando me aturas. Gosto quando me encaminhas. Gosto quando tomas conta de mim....


 Amo-te. Sempre.
Há coisas que nem o tempo consegue mudar.

sexta-feira, 3 de abril de 2015

#1549



Hoje, acordei a apetecer-me dizer-te o quanto te amo. Apetecer-me olhar-te nos olhos e não calar tudo aquilo que tu já sabes. Explicar-te a forma como te quero. Falar-te sobre paixão e responderes-me com amor. Contar-te apetites. Ouvir urgências. Enumerar-te vontades. Explicares-me quereres. Desfiar-te desejos. Receber-te a ti.
Hoje, acordei assim: conversadora. E com o amor na ponta da língua.

quinta-feira, 2 de abril de 2015

#1548


- O que é o jantar?
- Abraços derretidos em véu de suspiro, que acompanham com um beijo fervido em molho mimado.
- Para beber?
- Uma gargalhada inebriante...
- Sobremesa?...

- .......

quarta-feira, 1 de abril de 2015

#1547



Eu sei e tu sabes. O resto não importa.
Ambos sabemos o que somos. O que fomos e o que seremos.

 Eu sei e tu sabes. O Mundo não interessa. Ambos sabemos a falta que nos fazemos. Que fizemos e faremos.

 Eu sei e tu sabes. Aquilo que realmente conta. Aquilo que ambos passamos. E que passámos. 

 Eu sei e tu sabes. Que tudo vai correr bem. Que tudo se dissipa e acalma. Que tudo se relativiza. Que temos um sorriso guardado para nós.
 
Ninguém sabe. Só eu e tu.